Arquivos do Blog

O PODER DE UM APERTO DE MÃO


Publicado no site da SAL DA TERRA (Extraído)

Betsaida era um pequeno vilarejo a nordeste do mar da Galiléia. Um lugar, talvez, sem muita expressão. No entanto, foi o palco escolhido onde Jesus opera um dos milagres mais pedagógicos da história, ensinando-nos um princípio que, se aplicado hoje, pode iluminar os olhos do nosso entendimento, libertando-nos de toda ignorância.

Handshake on white backgroundAo chegar naquela vila, Jesus é imediatamente abordado pelo povo que lhe trazia um cego. Até então um gesto natural para uma população que já deveria ter ouvido sobre a fama de Jesus “o milagreiro”. O que mais me impressiona neste episódio é como o povo não apenas pede o milagre, mas determina a forma que o milagre deveria ser realizado: “rogaram-lhe que o tocasse”. Via de regra não nos contentamos apenas com o milagre, mas que-remos também que Deus o opere da forma e na hora que mais nos convém. Graças a uma forte convicção de sua identidade e propósito, Jesus não estava ali para aten-der aos apelos manipulativos da multidão, sendo livre para realizar aquele milagre da forma que pedagogicamente poderia ensinar ao cego, a todos que estavam ali e a nós. A questão para Jesus não era apenas trazer a cura física, mas sim utilizar-se do processo que envolveu a cura para ensinar um princípio libertador.

Ciente da real necessidade daquele cego, Jesus o toma pela mão e o conduz para fora da cidade, a sós com ele. Talvez apenas um toque fosse necessário para a cura física, mas para o restabelecimento de uma completa visão, capaz não apenas de discernir as coisas materiais, era necessário um forte aperto de mão e uma condução. A atitude de tomá-lo pelas mãos e conduzi-lo revela um compromisso integral com a pessoa, muito mais do que apenas com a cura. Jesus sabia do significado para um cego de ter alguém que o tomasse pelas mãos e o guiasse pelo caminho.

Hoje, muitas vezes desejamos o milagre para que não precisemos nos envolver com as pessoas. Queremos o paralítico andando para que não tenhamos o trabalho de empurrar a cadeira de rodas. Queremos o cego enxergando para que não tenhamos de assumir o compromisso de mostrar-lhe o caminho. Que-remos o paciente fora do hospital para que não precisemos visitá-lo. Cada vez mais, estamos terceirizando o que não deveríamos terceirizar e gastando horas na-quilo que poderíamos delegar. Filhos estão sendo educados por babás e professores, porque pais não querem o desgaste de tomá-los pelas mãos e conduzi-los em um discipulado de vida. Funcionários estão sendo demitidos pois patrões não querem “perder tempo” em ensinar. Os consultórios psiquiátricos estão cada vez mais cheios, pois amigos não têm mais tempo de se encontrar para compartilhar vida. Maridos entregam suas esposas aos cartões de crédito e esposas entregam seus maridos à pornografia, pois ambos não estão dispostos a dialogar e a prio-rizar o outro.

É tempo de darmos as mãos em um gesto de compromisso com as pessoas. Nosso próximo nunca deveria ter se tornado o meio pelo qual alcançamos outro fim. Pessoas sempre deveriam ser o fim, enquanto que toda metodologia, toda estrutura e todos os métodos deveriam ser o meio. Nossas relações não podem ser resumidas a apenas toques rápidos, mas sim, desenvolvidas em um aperto de mão demorado. O principio que ilumina nossos olhos e nos faz enxergar pessoas como pessoas e não como árvores é o relacionamento sincero e profundo, revelado em um caminhar junto e não apenas nos esbarrões em cada esquina da vida.

Marcos Rocha – pastor conselheiro Ministério Sal da Terra
marcosrocha@saldaterra.org.br

Anúncios

ONDE ESTÁ DEUS NA SUA VIDA?


Publicado na Revista Carta Viva – 2012 – N°18

VISITE O SITE – http://saldaterra.org.br/cartaviva/onde-esta-deus-na-sua-vida/

almofada dia dos namorados 2011Talvez você até leia a bíblia, vá à igreja domingo ou outro e se sinta bem entre os “irmãos”. Talvez você evite “grandes” pecados, seja generoso, tenha uma vida de oração razoável. Talvez você esteja perto de Deus, mas nem por isso, seja íntimo. Acreditar em Deus ou estar envolvido na igreja é uma coisa, amá-lo de verdade, sobre tudo e sobre todos, e manter com Ele uma relação íntima em meio a rotina, relacionamentos e desejos pessoais, é outra! Há uma condição primária para a vida com Deus e essa é: amá-lo em primeiro lugar!


Foi assim: ame a Deus sobre todas as coisas e ao teu próximo como a ti mesmo que Jesus resumiu a espiritualidade daquele que quer caminhar com Ele sendo seu discípulo. Se pudéssemos resumir a bíblia em um twit, seria essa a postagem.

Amar o próximo é uma expres-são muito usada e defen-dida no meio cristão, o que é muito positivo, afinal, amar a Deus é amar aquilo que Ele ama. E Ele ama gente. Isso é fato. Também é fato que não há vida com Deus fora da comu-nhão na i-greja, o lugar on-de o ser humano é curado. No entanto, vemos uma fragilidade na vivência do “amar a Deus sobre todas as coisas”. Acontece que nunca será possível amar verdadeiramente o outro, ou a si mesmo, sem antes amar primeiro a Deus.

Paulo Junior afirma que toda a relação na coletividade, passa por um com-prometimento pessoal com o Criador, reconhecendo-o como Pai e o que Ele já fez por cada homem para que este se torne seu filho: a expressão do amor de Deus por nós foi tornar-nos seus filhos, à seme-lhança de Jesus Cristo. Amar a Deus é ter a certeza de que, sendo filhos, Ele já nos deu tudo o que é necessário para a vida, de forma que todas as nossas necessidades já foram supridas. Dessa forma, o que buscamos sempre é o relacionamento e a intimidade porque estamos certos de que já fomos abençoados em tudo. Renuncio preferên-cias, valores e prioridades porque passo a crer Nele, não pelo o que Ele pode fazer, mas pelo conhecimento e certeza de quem Ele é e do que, certamente, fará, diz o pator.

Mas vemos muitos homens tentando o contrário- amam o irmão, praticam a filantropia, procuram a justiça, pensando que assim estarão kits com Deus. E o que é pior, usam o serviço e o “amor ao próximo” como desculpas por suas faltas diante do Criador. Esforçam-se para encontrar um lugar para Deus em sua agenda, no seu dia a dia, mas o que oferecem são apenas interesses para receber Dele o que querem que Ele faça. No final, estão angustiados ou ofendidos porque se frustram diante do resultado que queriam alcançar e que não foi conquistado.

Para o pastor Ariovaldo Junior isso acontece pela falta de compreensão do que seja amar verdadeiramente: nossa religiosidade procura mandamentos (afinal é mais fácil seguir regras do que fazer uma reflexão de vida diária), mas quando Cristo resume toda a lei e os profetas a amar a Deus e a amar os irmãos, percebemos o quanto muitas vezes não fomos capazes de compreender a profundidade e intensidade deste amor. Como afirmou Noemi, não se reconhece o privilégio de amar aquele que nos livrou da morte, porque muitas vezes se esquece de por quem formos libertos: Amar a Deus perpassa primei-ramente em saber quem é Deus e poste-riormente reconhecê-lo como suficiência em nossa vida. É só assim, reconhecendo Deus como pai e Senhor absoluto sobre tudo que podemos amá-lo.

Paulo Junior fala que há uma crise conceitual do amor que tem levado as pessoas à devoção. Segundo ele, não falta romance, não falta paixão, desejo ou religião… Mas falta compro-metimento, faltam momentos na vida que se perpetuam, falta fé, falta a intimidade com o Pai, falta a capa-cidade de continuar. Dessa forma, quando as pessoas se sentem feridas, elas abandonam Deus, quando as expectativas do que Deus deveria fazer e não fez são vivenciadas, elas abandonam Deus.

Quanto a isso, Luiz Humberto Junior lembra-nos que o amor é abordado por Deus sempre em um contexto de intimidade com Ele, de conhecimento, de convicção e de compromisso, mas que o amor de hoje é tudo isso ao inverso: Não se quer uma relação íntima com Deus, mas que Deus conheça as nossas neces-sidades e desejos. Muitas vezes o que cultivamos não é uma relação consciente e convicta, mas algo fruto da nossa ansiedade em ver os nossos problemas resolvidos. As pessoas querem um relacionamento com Deus no qual não exista um compromisso absoluto, mas apenas conveniente, e por isso superficial. Por isso a religião (no sentido de re-ligação com Deus) hoje é fraca. As pessoas nunca buscaram tanto o sobrenatural, mas ao mesmo tempo elas buscam o Deus que querem, e não o Deus que elas verda-deiramente precisam, pondera ele.

É certo que nada angustia mais o ser humano do que estar perto de Deus e não ser íntimo Dele, do que a sensação de estar “quase lá”, mas nunca alcançar o alvo ou do que perceber do que Ele é capaz, mas não se ter a convicção de quem Ele é e porque faz.

Há uma condição primária para a vida com Deus e essa é: amá-lo em primeiro lugar!Tudo só faz sentido à partir dessa condição. Tudo encontra seu devido lugar à partir do relacio-namento íntimo com o Criador, que agora é reconhecido como Senhor e Pai.

Enquanto não houver consciência do que seja amar a Deus em primeiro lugar, acima das preferências e desejos pessoais ou próprias expectativas individuais do que Deus deveria fazer, não haverá vida com Ele capaz de se perpetuar. Ou Ele está acima de tudo ou Ele não estará em lugar nenhum.

O Livro de Mozilla


Abaixo segue informações do Wikipédia…atenção!!!

Indicação de leitura: Blogueiro Bruno Glebert

O Livro de Mozilla

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O Livro de Mozilla (originalmente: The Book of Mozilla) é um easter egg encontrado nos navegadores de internet Mozilla, Firefox, Netscape, SeaMonkey e K-Meleon. Pode ser visto quando na barra de endereços é digitado about:mozilla . Trata-se de informações em uma linguagem aparentemente antiga e religiosa. O conteúdo pode variar muito, dependendo de qual navegador e versão o usuário esteja utilizando. Os textos são apresentados na cor branca sobre fundo colorido (vinho ou azul). No final sempre está escrito: from The Book of Mozilla, (de O Livro de Mozilla,) e depois da vírgula são mostrados algo como capítulo e versículo.

Não existe nenhum livro com o título The Book of Mozilla na realidade. Entretanto, suas passagens são semelhantes ao livro do Apocalipse, da Bíblia. Há cinco versões oficiais dos textos (oficiais porque há versões falsas) e demonstram fatos importantes da história da Mozilla Foundation, trocando nomes e utilizando parábolas. A ordem dos cápitulos e versículos mostrados por ordem da versão são: 12:10, 3:31, 7:15, 11:1 e 11:9.

O Livro de Mozilla, 12:10

A primeira versão do O Livro de Mozilla foi a 12:10 faz alusão ao dia 10 de dezembro de 1994, data de liberação da besta (Netscape). Apareceu pela primeira vez no Netscape 1.1, lançado em 1995. Esta versão se manteve até o Netscape 4.x. A mensagem exibida é:

Tradução livre não oficial:
Na página http://www.mozilla.com/book, no código fonte HTML vê-se uma informação oculta:

<!-- 10th December 1994: Netscape Navigator 1.0 was released -->
<!-- This verse announces the birth of the beast (Netscape) and warns bad coders (up to Netscape 3, when you watched the HTML source code with the internal viewer, bad tags blinked). -->

O Livro de Mozilla, 3:31

Em 10 de maio de 1998, Jamie “JWZ” Zawinski mudou o verso de O Livro de Mozilla em razão de a Netscape ter disponibilizado o código fonte de seu navegador como open source e iniciado o Projeto Mozilla. O verso foi incluído em todas as versões até Outubro de 1998, quando uma modificação no código do Mozilla fez com que o easter egg fosse perdido. Em 5 de fevereiro de 2000, Ben Goodger, trabalhando para a Netscape, copiou O Livro de Mozilla para o novo código. Ele foi incluído em todas as versões subsequentes do Mozilla (até a introdução do verso 7:15).

O verso apresentado é o seguinte:

Tradução livre não oficial:

Na página http://www.mozilla.com/book, no código fonte HTML há uma informação oculta que diz:

<!-- 31st March 1998: the Netscape Navigator source code was released -->
<!-- The source code is made available to the legion of thousands of coders of the open source community, that will fight against the followers of Mammon (Microsoft Internet Explorer). -->

O Livro de Mozilla, 7:15

Versão em Português retirada do navegador Firefox 2.0:Vale notar que apesar do texto ter sido traduzido o título da página permanece em inglês.

Na página http://www.mozilla.com/book, no código fonte HTML está disposta uma informação oculta que diz:

<!-- 15th July 2003: AOL closed its Netscape division and the Mozilla foundation was created -->
<!-- The beast died (AOL closed its Netscape division) but immediately rose from its ashes (the creation of the Mozilla foundation and the Firebird browser, although the name was later changed to Firefox). -->

O Livro de Mozila, 8:20

Versão em Inglês retirada do navegador Netscape 9.0.0.6:Tradução livre não oficial:

O Livro de Mozilla, 11:9

Versão em Português retirada do navegador Firefox 3:

Este verso foi inserido no Mozilla trunk codebase em 9 de janeiro de 2008.[1][2]Ela apareceu pela primeira vez no Firefox 3.0 Beta 3.

No código HTML de http://www.mozilla.org/book, este verso é acompanhado pela seguinte anotação:

<!-- 9th November 2004: Firefox 1.0 is officially released -->
<!-- The worldwide support of Firefox fans leads to its success, illustrating the power of community-based open source projects. -->

“Mammon” é uma alusão ao Internet Explorer, que “dorme” durante 5 anos entre os lançamentos do Internet Explorer 6 e do 7. O “renascimento da criatura” refere-se ao Firefox, que ganhou apoiadores que se auto-organizaram através do Spread Firefox, que comprometeram-se com a publicidade para o navegador, tomando um anúncio no The New York Times e fazendo um círculo em plantação com forma semelhante ao logotipo do Firefox. A “astúcia da raposa” é uma referência direta ao nome do Firefox (“Raposa de Fogo”). O “novo mundo” refere-se ao moderno, baseado em padrões Web sites dinâmicos e aplicações open-source. Os links apontam para o Manifesto Mozilla e para o ​​newsletter about:Mozilla. A última parte, começando com “Mammon acordou” fala do lançamento do Internet Explorer 7 e com a “era nada além de um seguidor”, descreve-o como um seguidor, copiando várias das funções no Firefox que o Internet Explorer anteriormente não tinha. Além disso, esta citação do “10ª edição, é uma alusão ao 10 aniversário da Fundação Mozilla o durante o ciclo de desenvolvimento do Firefox 3.

Versão em diferentes navegadores

Microsoft Internet Explorer

Em alguma versões do Microsoft Internet Explorer, about:mozilla gera uma página azul em branco (possivelmente em referência a Tela Azul da Morte). O comando about:mozilla foi desativado no Service Pack 2 do Windows XP; entretanto, o arquivo contendo a página ainda existe, para aqueles que desejam reativar o comando adicione uma string na chave HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\Microsoft\Internet Explorer\AboutURLs com o nome mozilla com o valor res://mshtml.dll/about.moz. Alternativamente, ele pode ser visto diretamente colando a URL res://mshtml.dll/about.moz na barra de endereços do Internet Explorer. Este método funciona nas versões mais recentes do Windows e Internet Explorer onde o comando about:mozilla link é desativado por padrão.

Netscape

Antes do Netscape 1.1, about:mozilla produzia o texto “Mozilla rulles!” (Mozilla governa!).

Digitando about:mozilla em uma versão Unix do Netscape o símbolo altera para uma animação do Mozilla vindo por detrás do ícone “planeta” e cuspindo fogo. (Imagens visíveis aqui)

Flock

O Livro de Mozilla, 11:1

Apesar de não ser um verso oficial da Mozilla, um novo verso do Livro de Mozilla 11:1, pode ser visto no Navegador Flock 1.0+, um “Navegador Social” baseado no Firefox. Este verso é mostrado em uma tela nas cores azul e branco quando o comando about:mozilla é digitado na barra de endereços. O verso segue abaixo:

Tradução em Português:

iCab

O texto seguinte aparece: “Hey, This is not Netscape Navigator.” (Ei, este não é o Navegador Netscape).

Apple Safari

Digitando ‘about:mozilla’ na barra de endereços do Apple Safari leva a somente a uma página em branco, de mesma resposta para qualquer comando ‘about:’ digitado.

Google Chrome

Digitando ‘about:mozilla’ na barra de endereço para o Google Chrome também se recebe como resposta uma página em branco.

%d blogueiros gostam disto: